Pesquisar neste blogue

sábado, 14 de julho de 2012

Alone...

Hoje sinto-me um bocado forever alone.
Sei que o amor é uma coisa que acontece, que não se força, e penso que quanto mais o procuramos mais ele teima em não aparecer. 
Parece que eu estou farta de procurar, porque há muito tempo que não o encontro, há muito tempo que não me sinto amada. E por mais que seja bom tarmos sozinhos algum tempo, acho que todos temos a necessidade de sermos amados e acarinhados,  e chega uma altura em que estamos preparados para um novo romance, por mais fugaz e passageiro que ele seja. 
Acho que o amor, o romance, a corte, como se dizia e fazia antigamente já não existe. A verdade é que isso tornou-se um sentimento posto em segundo plano enquanto que a ascensão profissional ganhou outras proporções, acho que antigamente era tudo mais fácil no que toca ao amor. Hoje em dia pouco se valoriza isso. 

O amor, assim como as relações, tornaram-se coisas tão superfúlas, que a maior parte das pessoas não lhes liga importância, e não posso dizer o quanto isso me entristece.
O sexo tornou-se uma coisa fácil de arranjar. É verdade que o tempo muda, as coisas evoluem, e modificam-se, mas nem sempre para melhor, existe uma grande quantidade de população feminina que é demasiado fácil, falando um pouco na gíria, basta um piropo para que abram logo as pernas. E por mais incrível que pareça, essas são as que estão sempre com alguém, seja por um dia, uma semana ou até mesmo um mês, e embora eu não acredito que as relações podem ser baseadas em sexo, a verdade é que elas é que têm sucesso, para que os homens de hoje em dia não estão interessados nas raparigas decentes, aquelas que ainda se fazem um pouco de difícil, mas também para quê perder tempo com essas, quando ao virar de esquina vai estar uma que se calhar por fora é muito mais atractiva que a outra, e mostra logo tudo o que tem?! Para quê investir tempo em "algo" que vai dar trabalho quando podemos ter algo mais facilmente?
Os homens não estão para se chatear muito, e isso é visível, conto pelos dedos das mãos, os casais que existem entre os meus amigos! A maior parte está sozinho, e de vez em quando dá uma voltinhas, como se diz agora. 
Sou contra isso. 
E citando a minha querida avó "isso é uma pouca vergonha", e a verdade é que é, sei que não devemos julgar os outros e tudo mais, mas há coisas que me transcendem, e gostava muito sinceramente que alguém um dia fosse capaz de me explicar, com fundamentações concretas, o porquê de investir numa coisa fácil. É que aí é que está justificação para a pouca durabilidade das relações hoje em dia, é tudo tão fácil de atingir que as pessoas não perdem tempo em contornar as dificuldades e ultrapassá-las, para quê? É mais fácil encontrar outra/outro. 
Enfim, este mundo está perdido!

Sem comentários:

Enviar um comentário