Pesquisar neste blogue

domingo, 4 de novembro de 2012

Oh meu Deus!

Ontem estive numa festa de aniversário de uma amigo meu, já de longa data. E a festa em causa era daquelas festas onde está presente toda a família, e alguns amigos (como era o meu caso), já conheço toda a família dele, e já todos nos damos bem, e temos claro, um certo há vontade. 
Devo dizer que o avô dele, adora o meu pai, o que me leva a pensar, será que ele acha que eu e o meu amigo podemos vir a ser namorados?? Em tempos, estivemos quase para o ser, mas depois, como diria uma pessoa bastante sábia, por circunstâncias da vida, acabou por não acontecer nada, e ficámos apenas bons amigos. 
Não vou ser hipócrita e dizer que às vezes não penso nisso, porque penso. 
Mas depois chego à conclusão que somos muito diferentes, e que nunca iria dar certo, e que provavelmente iriamos estragar uma boa amizade. 
Acho também que penso mais nisso, por estar sozinha há tanto tempo, deve ser a carência a falar mais alto! É claro que nesses momentos, em que percebo que estou sozinha há demasiado tempo, enfio-me no quarto, mais propriamente na cama, e devoro uma quantidade de doces, o que não faz nada bem para a minha dieta, que agora está um pouco em stand-by, como se eu me pudesse dar ao luxo de deixar a dieta em stand-by, credo, o pior é que eu tenho que andar sempre em dieta,maldito peso a mais. 

Mas não é por nada do que já escrevi, que decidi por este título nesta mensagem, neste desabafo. 
Como estava a dizer, ontem lá na festa familiar do meu amigo, haviam muitas crianças. E uma delas, a mais pequenina, uma menina linda, que eu adorei. Tinha dois anos, e era tão fofinha, que só apetecia dar beijinhos e apertar as bochechas!! 
E uma das vezes, enquanto estava a passear com ela, eis que alguém me diz assim:
- Fica-te bem Ana. 

E foi aí que se deu o clic, será que o meu instinto maternal, o chamado, relógio biológico está a despertar em mim? Oh meu Deus, espero que não! 
Ainda é muito cedo para isso. Ainda sou uma jovem. Ainda tenho muito para viver. 

Sendo assim, prefiro acreditar, que ontem estava muito bem disposta, e que foi por isso que senti tanto afeto pela criança! Prefiro sempre pensar positivo! 

Sem comentários:

Enviar um comentário